O que é custo de oportunidade? Entenda!

Uma das barreiras que as pessoas que estão começando a investir enfrentam é a linguagem. São tantos termos novos, que podem intimidar um iniciante. No entanto, muitos deles definem coisas que – pasmem -, a maioria das pessoas já faz no dia a dia. Um desses termos é o que chamamos de custo de oportunidade.

Em termos simples, o custo de oportunidade representa uma vantagem que você renuncia ao tomar uma escolha. Essa vantagem pode ser um bem, mas também tempo ou qualidade de vida. O conceito, como veremos a seguir, se aplica a áreas tão diferentes quanto a vida pessoal ou a política, mas é especialmente valorizado no mercado financeiro.

Porém, para saber como utilizar corretamente, não basta saber exatamente o que é o custo de oportunidade, mas os tipos e como calcular. Ele é uma ferramenta sensacional para melhorar a tomada de decisões, tornando-as mais racionais e conscientes. Abaixo mostraremos como fazer isso!

Continua após a publicidade

Leia mais: Picpay ou Nubank: qual rende mais? Descubra já!

Definição do custo de oportunidade

Em termos gerais, podemos dizer que o custo de oportunidade é aquilo que você abre mão ao tomar uma escolha. É um conceito bastante amplo, então não necessariamente será dinheiro. Por exemplo, ao passar a manhã de um feriado dormindo e não, por exemplo, se exercitando, essa decisão terá um custo de oportunidade. Nesse caso, você está renunciando aos benefícios do exercício físico. Dá para inverter também: fazendo exercícios você perde a manhã de descanso.

Em geral, cada decisão implica em renunciar a algo. Ao fazer um curso, a pessoa abre mão das horas que podia passar trabalhando. Quando um governo decide colocar dinheiro na segurança pública, ele está renunciando a investir o mesmo dinheiro em saúde, educação ou infra-estrutura.

Assim, quando um investir em algo, deve-se pensar: o que estou abrindo mão? Pode ser que em outro fundo de investimento a rentabilidade seja maior. Ou, talvez, comprar uma máquina vai dar mais dinheiro do que contratando um funcionário.

Todas essas situações representam a mesma coisa: calcular o custo de oportunidade. A questão é como fazê-lo, mas, antes disso, precisamos saber quais são os diferentes tipos, para levar tudo em consideração.

Os tipos de custo de oportunidade

Como falamos acima, são diferentes os fatores que podem representar o custo de oportunidade. Então, os especialistas separaram em tipos que ajudam a compreender cada aplicação do conceito.

Oculto

Continua após a publicidade

É aquele que está “escondido” no investimento. Isto é, algo que você precisa analisar e encontrar de acordo com seus objetivos. Por exemplo, ao investir em uma máquina, há o custo de ficar com pouco dinheiro em caixa. Se você tiver um gasto emergencial, pode acabar tendo que tomar um empréstimo com juros mais altos.

Assim, esse risco é um custo oculto. Isso porque você precisa analisar a situação para entender que é arriscado ficar com pouco dinheiro em caixa.

Explícito

É o contrário do oculto. São situações que estão mais ao seu controle, então o cálculo é mais tranquilo. Digamos, por exemplo, que um empresário tenha dinheiro aplicado em um fundo de investimento. Ele pode comprar um imóvel com esse dinheiro e alugar. Existe um custo explícito no rendimento do dinheiro que está no fundo.

Aproveite a oportunidade

💳 Você foi selecionado para ter um cartão de crédito que não cobra anuidade, aceito em milhares de estabelecimentos pelo mundo: abra uma conta BV gratuita!

Ambiental

O meio ambiente representa um conjunto de recursos cada vez mais escassos. Assim, quando se polui um rio, os benefícios que a comunidade teria com aquele ecossistema preservado são um custo de oportunidade.

Custo de oportunidade contábil e econômico

O custo de oportunidade contábil diz respeito, em especial, ao dinheiro. Isto é, não considera nenhum outro fator, além do que entra e o que sai do caixa. O econômico é diferente. Ele diz respeito aos diferentes fatores que compõem o custo de oportunidade, não apenas os contábeis.

Assim, se um investimento implica em assumir um risco a mais, esse risco importa. Para o contábil, que considera apenas quanto dinheiro entrou ou saiu, o risco não importa.

Continua após a publicidade

Saiba mais: Conta Salário Itaú: tudo que você precisa saber

Como calcular?

Como vimos acima, existem vários fatores a levar em consideração. Muitos deles tem um valor subjetivo. Tempo livre, para uma pessoa que não tem emprego e precisa de dinheiro, vale muito pouco. Já para alguém que trabalha nove horas por dia e recebe um salário todo mês, uma hora de tempo livre é um grande custo de oportunidade.

Assim, na hora de fazer seus investimentos, tente enumerar tudo que você está abrindo mão para tomar suas decisões. Se você dispõe de pouca renda, por exemplo, o risco de qualquer operação é um custo muito maior do que alguém que tem mais. Isso porque o rendimento vai ser sempre relativo à quantidade de dinheiro investido. Assim, não faz sentido arriscar poucos recursos, se os ganhos não irão acompanhar.

Seu cálculo vai ser tão mais preciso, quanto melhor for a sua informação. Já pensou em como se informar melhor? Aqui no Meu Portal Financeiro nossa missão é exatamente essa: disponibilizar informações de qualidade para que você consiga tomar as melhores decisões!

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Quanto rende um milhão na poupança! Descubra aqui!

Próximo

Como guardar dinheiro ganhando pouco? 7 dicas!

Posts Relacionados
Total
0
Share