Orçamento familiar: veja 8 dicas para se organizar!

Frequentemente especialistas falam sobre educação financeira e maneiras de organizar as contas. Mas, normalmente, o foco dessa organização é pessoal. Ou seja, focada no indivíduo. Entretanto, muitas pessoas vivem com as suas famílias. Então para quem vive assim, o mais adequado é pensar em um orçamento familiar.

Ter uma planilha de orçamento familiar é uma das formas de alcançar a segurança financeira para toda a família. Contudo, muitas famílias ainda não se organizam da melhor forma e acabam, desnecessariamente, sofrendo para fechar as contas. Se você pretende encontrar segurança e estabilidade econômica para a sua família, continue lendo este conteúdo!

Leia também: Como fazer o dinheiro render? Descubra em detalhes aqui.

O orçamento familiar garante segurança financeira para toda família

Primeiramente, vale explicar que o orçamento familiar é um instrumento de organização. Em outras palavras, ele serve para estruturar as contas e deixar as finanças em ordem.

Encontrar uma forma de balancear os fatores e montar um bom orçamento familiar é fundamental para uma família. Afinal, conseguindo manter as contas em dia, o clima fica mais leve e todos vivem mais felizes. Além, claro, de garantir uma segurança financeira maior e evitar contratempos.

Veja, a seguir, algumas dicas para organizar o orçamento da sua família.

1- Tenha uma planilha de orçamento familiar

Antes de mais nada, saiba que montar uma planilha é mais simples do que parece. À primeira vista pode parecer complicado, mas você não precisará de nenhum recurso avançado. Pesquisando no Youtube você pode encontrar vídeos explicando como montar planilhas de maneira simples.

Aproveite a oportunidade

💳 O BTG+ oferece benefícios e experiências únicas para quem quer um cartão cartão de crédito sem anuidade e que entende suas necessidades.

Solicite seu cartão!

Eventualmente, você terá sua planilha com algumas colunas preenchidas fazendo somas e subtrações e, sim, isso será suficiente.

2- Faça uma reunião sobre o orçamento familiar

Anteriormente à reunião, faça uma lista e defina alguns tópicos para levar para o debate. Reforce a ideia de que o orçamento familiar é para o bem de todos e, por isso, todos devem participar.

Independente da idade, todos devem participar. Mas, naturalmente, em cada faixa etárias as exigências são diferentes. Então cuidado na hora de ajustar as expectativas.

3- Registre entradas e saídas

Para o orçamento familiar funcionar, será necessário registrar absolutamente todas as entradas e saídas. Em outras palavras, todo o dinheiro que entra e que sai, independente da fonte ou do motivo.

Os salários costumam ser mais fáceis de lembrar, especialmente se forem fixos. Entretanto, as saídas costumam causar mais dúvidas e problemas com esquecimento. Mas não esqueça que é fundamental não deixar absolutamente nada de fora. Cada pequeno gasto precisa ser anotado e fazer parte da planilha.

Aproveite a oportunidade

💳 Você foi selecionado para ter um cartão de crédito que não cobra anuidade, com limite de até 7 mil reais e que aprova na hora: abra uma conta gratuita no Banco Pan!

4- Examine os seus registros

Posteriormente às anotações, é hora de somar as entradas e subtrair as saídas.

À primeira vista já será possível ter uma ideia a respeito da saúde financeira da família. Afinal, se o saldo for negativo, significa que tem alguma coisa errada. Entretanto, se o saldo for positivo, não é motivo para relaxar, porque ele sempre pode melhorar.

5- Detalhe a organização

Independente do resultado das contas ser positivo ou negativo, provavelmente você quer melhorar, certo? Então será necessário começar a organização dos gastos para poder manter o controle adequado.

Comece separando as despesas por categorias. Por exemplo: moradia, educação, saúde, alimentação, transporte, lazer e o que mais fizer sentido para a sua família.

Depois, divida em subcategorias para aumentar o nível de detalhe. Educação pode conter a escola de um filho, a universidade de outro e um curso profissionalizante, por exemplo. Já a moradia pode ter aluguel, condomínio, IPTU e gastos da casa como água, luz, gás e internet.

6- Ajuste os gastos no seu orçamento familiar

Finalmente, depois de entender o peso de cada categoria, você será capaz de ajustar cada uma delas. Então chega um dos momentos mais difíceis: o de fazer os ajustes.

Enquanto educação é mais importante que lazer, saúde é mais importante que transporte. Mas onde entra a moradia? Cada família precisa definir seus próprios critérios e limites para cada categoria. Dessa forma, será possível elencar prioridades e definir onde é possível fazer cortes e onde não é.

Cortar gastos supérfluos é uma das melhores alternativas. Passeios, jantares, pequenos prazeres do mercado, roupas novas e serviços digitais podem ser facilmente cortados, pelo menos por um tempo. Mas em muitos casos isso acaba não sendo o suficiente.

7- Ajuste a mentalidade

Ao mesmo tempo que os ajustes são financeiros, eles também são de hábito. Ou seja, pode ser que a vida da família passe por uma transformação. Por isso, também é fundamental que todos tenham consciência sobre a importância do orçamento familiar.

Continua após a publicidade

Talvez um filho perca a aula de ginástica e outro perca a aula de violão. Assim como é viável desligar a TV a cabo, encurtar o limite de pedidos de comida por aplicativo. Esses são só alguns exemplos, mas a verdade é que cada família precisa encontrar o seu próprio equilíbrio.

Em situações mais graves, famílias podem acabar tomando medidas drásticas. Mudar para um bairro mais barato, vender o carro e trancar a faculdade podem ser alternativas válidas, mesmo que desagradáveis.

8- Tenha objetivos

Enquanto os cortes podem abalar o humor da família, estabelecer objetivos pode ajudar a trazer pequenos momentos de vitória. Por exemplo:

  • Passar um mês sem pedir comida por aplicativo;
  • Quitar uma dívida;
  • Montar uma reserva de emergência para três meses;
  • Guardar um determinado valor para viajar no feriado;
  • Começar um investimento e fazer depósitos mensais.

As metas podem ser de tamanhos variáveis e, naturalmente, devem se adaptar ao contexto de cada família. Além disso, vale lembrar que metas mais ousadas, como comprar um imóvel, por exemplo, levam muito mais tempo. Então pode valer a pena dividir em objetivos menores e mais perceptíveis.

Leia também: Como montar uma boa planilha de controle financeiro?

Esperamos que você tenha gostado de saber mais sobre orçamento familiar e como organizar suas finanças.

Se você conhece alguém que pode usufruir dessas dicas para melhorar as finanças da família, compartilhe este conteúdo!

E para mais dicas e informações sobre planejamento, organização e educação financeira, continue acompanhando o Meu Portal Financeiro.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
tag pedagio

Tag de pedágio vale a pena? Entenda como funciona!

Próximo
como investir no btg

Como investir no BTG? Tire todas as suas dúvidas aqui

Posts Relacionados
Total
0
Share